Malefícios dos agrotóxicos

Os agrotóxicos geram diversos impactos à saúde, que já são bem estabelecidos na literatura atual.

Como exemplo, alguns estudos têm mostrado correlação entre esta exposição e doenças respiratórias, sendo constatadas mudanças na função pulmonar, com maior risco de obstrução de vias respiratórias de forma moderada e severa. Esses fatores contribuem com o aumento no risco de asma – uma das doenças respiratórias mais prevalentes no mundo1-3.

Na saúde reprodutiva, os impactos dos agrotóxicos já são bem estabelecidos em diversos estudos. Como justificativa, postula-se que os agrotóxicos aumentam o estresse oxidativo que, por consequência, afeta a capacidade fisiológica dos espermatozoides. Ainda, há evidências que correlacionam a exposição aos agrotóxicos e risco de desfechos indesejáveis durante a gestação – como o aumento nos níveis pressóricos – e tumor testicular4-6.

O sistema nervoso central também pode ser afetado pelos agrotóxicos, dado que estudos mostram positiva associação entre a exposição a estas toxinas e doenças neurológicas – como Parkinson e autismo7,8.

Os problemas metabólicos – que apresentam altos índices de morbidade e mortalidade no mundo – são grandes alvos dos impactos negativos dos agrotóxicos, sendo constatadas alterações em metabolismo lipídico e glicídico com o aumento desta exposição9.

Os agrotóxicos também podem exercer atividade de disruptor endócrino, reduzindo a capacidade fisiológica de muitos hormônios – como os produzidos pela tireoide, que são imprescindíveis para o nosso equilíbrio orgânico10-12.

Os dados sobre risco de câncer são alarmantes. Estudos mostram que este aumento no risco pode ser explicado, especialmente, pelo contato com os agrotóxicos por pessoas que moram em regiões agrícolas, em que esta prática é comum13-17.

Portanto, temos inúmeros motivos para incentivar o consumo de alimentos orgânicos em nossa rotina alimentar. Com este hábito, podemos preservar nossa saúde e ainda contribuir com nossa biodiversidade, que também sofre com o uso abusivo destas substâncias.

Referências Bibliográficas

1-(MATSUI, E.C.; PERZANOWSKI, M.; PENG, R.D. et al. Effect of an integrated pest management intervention on asthma symptoms among mouse-sensitized children and adolescentes with asthma: a randomized clinical trial. JAMA; 317(10):1027-1036, 2017)

2- JONG, K.; BOEZEN, H.M.; KROMHOUT, H. et al. Pesticides and other occupational exposure are associated with airway obstruction: the LifeLines cohort study. Occup Environ Med; 71(2):88-96, 2014.

3-VAN DER PLAAT, D.A.; JONG, K.; VRIES, M. et al. Occupational exposure to pesticides is associated with differential DNA methylation. Occup Environ Med; 75(6): 427-435, 2018.

4- SHAW, G.M.; YANG, W.; ROBERTS, E.M. et al. Residential agricultural pesticide exposure and risks of preeclampsia. Environ Res; 164:546-555, 2018).

5- ALHAMA, J.; FUENTES-ALMAGRO, C.A.; ABRIL, N. et al. Alterations in oxidative responses and post-translational modification caused by p,p – DDE in Mus spretus testes reveal Cys oxidation status in proteins related to cell-redoz homeostasis and male fertlity. Sci Total Environ; 636:656-669, 2018)

6-YU, X.; ZHAO, B.; SU, Y. et al. Association of prenatal organochlorine pesticide-dichlorodiphenyltrichloroethane exposure with fetal genome-wide DNA methylation. Life Sci; 2018. doi: 10.1016/j.lfs.2018.03.030.

7- SAGIV, S.K.; HARRIS, M.H.; GUNIER, R.B. et al. Prenatal organophosphate pesticide exposure and traits related to autismo spectrum disorders in a population living in proximity to agriculure. Environ Health Perspect; 126(4):047012, 2018.

8- VAN DER MARK, M.; VERMEULEN, R.; NIJSSEN, P.C. et al. Occupational exposure to pesticides and endotoxin and Parkinson disease in the Netherlands. Occup Environ Med; 71(11):757-64, 2014.

9- ANDERSEN, H.R.; TINGGAARD, J.; GRANDJEAN, P. et al. Prenatal pesticide exposure associated with glycated haemoglobin and markers of metabolic disfunction in adolescentes. Environ Res; 166:71-77, 2018.

10-LERRO, C.C.; BAENE FREEMAN, L.E.; DELLAVALLE, C.T. et al. Occupational pesticide exposure and subclinical hypothyroidism among male pesticide applicators. Occup Environ Med; 75(2):79-89, 2018.

11- FREIRE, C.; KOIFMAN, R.J.; SERCINELLI, P.N. et al. Long-term exposure to organochlorine pesticides and thyroid status in adults in a heavily contaminated área in Brazil. Environ Res; 127:7-15, 2013.

12- LUO, D.; PU,Y.; TIAN, H. et al. Association of in utero exposure to organochlorine pesticides wit thyroid hormone levels in cord blood of newborns. Environ Pollut; 231(Pt1):78-86, 2017.

13- LERRO, C.C.; JONES, R.R.; LANGSETH, H. et al. A nested case-control study of polychlrinated biphenyls, organochlorine pesticides, and thyroid câncer in the Janus Serum Bank cohort. Environ Res; 165:125-132, 2018.

14-AAMIR, M.; KHAN, S.; LI, G. Dietary exposure to HCH and DDT congeners and their associated câncer risk based on Pakistani food consumption. Environ Sci Pollut Res Int; 25(9):8465-8474, 2018.

15- Martin, F.L.; Martinez, E.Z.; Stopper, H. et al. Increasd exposure to pesticides and colon câncer: early evidence in Brazil. Chemosphere; 209:623-631, 2018.

16-SHAH, H.K.; BHAT, M.A.; SHARMA, T. et al Delineating potential transcriptomic association with organochlorine pesticides in the etiology of epitelial ovarian câncer. Open Biochem J; 12:16-28, 2018.

17- HYLAND, C.; GUIER, R.B.; METAYER, C. et al. Maternal residential pesticide use and risk of childhood leucemia in Costa Rica. Int J Cancer; 2018. doi: 10.1002/ijc.31522

Você também pode gostar de: