Dietas da moda e influencias metabólicas em longo prazo

Dietas restritivas são estratégias muitos utilizadas com o objetivo de perda de peso. Entretanto, estudos recentes observam que estas dietas, quando realizadas de forma inadequada e em longo prazo, podem gerar adaptações metabólicas, que podem dificultar o resultado desejado1.

Dependendo da condução da dieta restritiva, alguns sinais e sintomas tornam-se relevantes, e podem influenciar no consumo alimentar – especialmente no período após a dieta. Um recente estudo realizado em modelo animal indicou que a restrição de carboidratos promovia a perda de peso; entretanto, com a reintrodução de dieta hiperlipídica, o ganho de peso era acelerado. Embora este estudo tenha sido conduzido em modelo animal, é possível correlacionar este resultado de forma clinica, uma vez que muitos que passam por dietas restritivas, ao finalizarem o período proposto, não realizam as devidas condutas para manutenção do peso corporal 2.

As alterações metabólicas observadas nestas situações também podem estar associadas a mudanças na microbiota intestinal, principalmente quando a dieta sugerida acompanha o consumo de alimentos pró-inflamatórios – como carnes e embutidos, de forma exagerada. Com estas mudanças intestinais, observa-se aumento na produção de citocinas inflamatórias, que podem prejudicar vias associadas catabolismo em tecido adiposo3 .

Como estratégia, alguns estudos sugerem que as dietas restritivas sejam realizadas com período mais curto de tempo, com periodização dos nutrientes ao longo das condutas, sempre levando em consideração o consumo de alimentos anti-inflamatórios e suprindo as necessidades individuais, com objetivo de reduzir o risco de deficiências nutricionais4.

Com estes cuidados e estratégias que envolvem periodizações, as dietas restritivas podem fazer parte das condutas nutricionais, de forma mais segura e eficiente.

Referências Bibliográficas:

1-DULLO, A.G. A role for supressed skeletal muscle thermogenesis in pathways from weight fluctuations to the insulin resistance syndrome. Acta Physiol Scand; 184(4):295-307, 2005. 

2- SIMONDS, S.E.; PRYOR, J.T.; COWLEY, M.A. Repeated weight cycling in obese mice causes increased apetite and glucose intolerance. Physicol Behav; 194:184-190, 2018.

3-THAISS, C.A.; SHAPIRO, H.; ELINAV, E. Post-dieting weight gain: the role of persistente microbiome changes. Future Microbiol; 12: 555-559, 2017.

4-PAOLI, A.; BIANCO, A.; GRIMALD, K.A. et al. Long term sucessful weight loss with a combination biphasic ketogenic mediterranean diet and mediterranean diet maintenance protocol. Nutrients; 12:5205-17, 2013.

           

           

           

Você também pode gostar de: