Consumo de açúcar e alterações neurológicas

O consumo excessivo de alimentos açucarados tem sido associado a uma série de alterações neurológicas, uma vez que o açúcar pode predispor ao aumento de citocinas inflamatórias que prejudicam as diversas reações do sistema nervoso central1-3.

Um estudo conduzido em modelo animal identificou que a administração de solução rica em açúcar promoveu maior expressão de interleucina 1β no hipocampo, caracterizando um estado inflamatório na área do cérebro responsável, principalmente, pela memória3.

Estes efeitos também já foram observados em análises clínicas. Um estudo realizado com 49 indivíduos submetidos a um teste de performance cognitiva mostrou que o consumo de glicose e sacarose interferiu na cognição – podendo prejudica a memória, por exemplo. Embora o resultado seja interessante, os autores reforçam a necessidade de dados mais robustos para melhor entendimento dos desfechos, em longo prazo4.

As correlações entre açúcar e cérebro também devem ser levadas em consideração no desenvolvimento de doenças neurodegenerativas. Uma análise realizada com 128 idosos mostrou que o consumo de alimentos de alto índice glicêmico – que, normalmente, apresentam altos teores de açúcar – esteve associado ao aumento da placa β-amiloide, envolvida no desenvolvimento de doença de Alzheimer5.

Estes achados reforçam a importância da redução no consumo de açúcar e alimentos açucarados, para redução do risco de problemas cognitivos em todas as faixas etárias, em associação a bons hábitos alimentares e de vida.

Referências Bibliográficas:

1-PARK, S.; XU, F.; TOWN, M. et al. Prevalence of sugar-sweetened beverage intake among adults – 23 states and the District of Columbia, 2013. MMWR Morb Mortal Wkly; 65(7):169-74,2016.

2-REICHELT, A.C.; RANK, M.M. The impact of junk foods on the adolescent brain. Birth Defects Res; 109(20):1649-1658, 2017.

3-HSU, T.M.; KONANUR, V.R.; TAING, L. et al. Effects of sucrose and high fructose corn syrup consumption on spatial memory function and hippocampal neuroinflammation in adolescent rats. Hippocampus; 25(2):227-239,2015.

4-GINIEIS, R.; FRANZ, E.A.; OEY, I. et al. The sweet effect: comparative assessments of dietary sugars on cognitive performance. Physiol Behav; 184:242-247, 2018.

5-TAYLOR, M.K.; SULLIVAN, D.K.; SWERDLOW, R.H. et al. A high-glycemic diet is associated with cerebral amyloid burden in cognitively normal older adults. Am J Clin Nutr; 106(6):1463-1470, 2017.

 

Você também pode gostar de: