Garanta energia extra com uma dieta saudável

Em tempos de correria e rotina extenuante, a disposição e ânimo são duas coisas que todos buscam atualmente e, para isso, a ciência pesquisa constantemente quais são os alimentos para aumentar a vitalidade e aprimorar a performance do corpo e da mente.

O magnésio é um dos nutrientes que possuem grande importância devido ao processo de transformação do açúcar presente na circulação sanguínea em energia. Além de inúmeras outras funções, o magnésio está envolvido no metabolismo da glicose e secreção de insulina e a sua deficiência está associada ao aumento da resistência periférica à insulina, o que prejudica a entrada de glicose para a célula e consequente queda da energia. A fadiga também pode ocorrer pela deficiência deste mineral, uma vez que se houver déficit de magnésio, além de não ativar a bomba cálcio/magnésio, também não será possível ativar a bomba de sódio/potássio.

Outros nutrientes estão entre os que mais contribuem para a formação de energia, como selênio, ferro, zinco, sódio, potássio, cálcio, vitamina C e vitaminas do complexo B.

O zinco é um componente da insulina, atuando como regulador de sua atividade, além de participar da formação da hemoglobina, proteínas, replicação de ácidos nucléicos e divisão celular. É importante no exercício físico, pois auxilia na redução do lactato. A fadiga, além de estar envolvida com os níveis de cálcio e magnésio, pode ser também decorrente da formação de lactato, que ocorre quando há déficit de nutrientes antioxidantes (como zinco e selênio) e vitaminas do complexo B, principalmente em pessoas sedentárias ou que fazem pouca atividade física. Com relação ao selênio, os principais sintomas de deficiência são as dores musculares, fadiga e a fraqueza muscular.

O ferro é um nutriente essencial na formação de hemoglobina e mioglobina; sendo assim sua deficiência afetará o transporte de oxigênio, causando sintomas como tonturas, dor de cabeça, falta de concentração e irritabilidade, assim como fadiga muscular, devido à falta de oxigenação do músculo. Para maior absorção do ferro, a vitamina C entra como principal agente nesta função, pois aumenta a biodisponibilidade do ferro não-heme, presente em alimentos de origem vegetal.

As vitaminas do complexo B são essenciais para o metabolismo dos carboidratos, atuando na conversão da glicose em energia, e na manutenção dos tecidos nervosos, função e transmissão nervosa. Também participam na conversão de ácidos graxos, proteínas, enzimas e hormônios e, por isso, os sintomas comuns da deficiência de vitaminas do complexo B são cansaço generalizado, falta de disposição e fraqueza muscular.

De fato, cada um destes nutrientes é importante, assim como todos os outros, tendo em vista que nenhum nutriente age isoladamente, mas em sinergia, para que desempenhe sua função adequadamente.

A ingestão de carboidratos com regularidade, principalmente os ricos em fibras (que possuem uma absorção mais lenta, não deixando que a glicemia caia abruptamente) auxiliam no aumento da energia e disposição. A hidratação também é um fator preponderante, principalmente para os praticantes de atividade física, pois a desidratação além de ocasionar efeitos prejudiciais à saúde, também promove a queda do desempenho na atividade.

As alternativas disponíveis no mercado, consideradas energéticas, exigem muita cautela. Um exemplo é a cafeína, que em doses excessivas, pode provocar nervosismo e taquicardia, além de prejudicar a absorção de nutrientes que são responsáveis por promover energia e disposição.

Uma alimentação balanceada, rica em fibras, vitaminas e minerais de acordo com as necessidades e estilo de vida de cada um ainda é o melhor caminho para ter qualidade de vida. A população está perdendo a simplicidade de uma alimentação saudável, buscando alimentos de “última geração”, light ou diet, com promessas “tentadoras”, ou talvez tudo muito prático, porém repleto de sódio, gorduras e aditivos químicos que promovem uma saúde cada vez mais fragilizada e dias com pouca disposição e ânimo para realizar as atividades rotineiras.

Vale mais a pena investir um pouco do seu tempo para preparar uma alimentação o mais natural possível, evitando o excesso de alimentos industrializados, tendo sempre à mão frutas para os lanches. O corpo vai agradecer em forma de energia!

Referências bibliográficas:

COZZOLINO, S.M.F. Biodisponibilidade de nutrientes. São Paulo, 5ª edição, Editora Manole, 2016.

PASCHOAL, V. et al. Suplementação Funcional Magistral, dos nutrientes aos compostos bioativos. São Paulo, VP Editora, 2015.

LARSEN et al. Dietary inorganic nitrate improves mitochondrial efficiency in humans. Cell Metabolism; 13(2):117-118, 2011.

RAZZAGHI R et al. Magnesium Supplementation and the Effects on Wound Healing and Metabolic Status in Patients with Diabetic Foot Ulcer: a Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled Trial. Biol Trace Elem Res, 2017.

SAMANIEGO-VAESKEN, M.L.; PARTEARROYO, T.; OLZA, J. et al. Iron intake and dietary sources in the Spanish population: findings from the ANIBES study. Nutrients; 9(3):E203,2017.

WALLACE, D.F. The regulation of iron absorption and homeostasis. Clin Biochem Rev; 37(2):51-62, 2016.

Você também pode gostar de: