Consumo de pequi e saúde hepática

O pequi é uma fruta típica da região centro-oeste do Brasil, sendo parte dos hábitos alimentares de muitos que vivem nesta região, contribuindo com o consumo de muitos nutrientes e compostos bioativos que protegem nosso organismo contra o estresse oxidativo1.

Por esta atuação antioxidante, algumas hipóteses indicam que o pequi pode ser interessante para a saúde hepática. Esta atuação foi verificada em um recente estudo conduzido em modelo animal, em que constatou-se que a administração do óleo de pequi promoveu proteção contra o dano celular induzido em células hepáticas, indicando efeitos positivos na redução da peroxidação lipídica. Este resultado foi justificado pela alta concentração de carotenoides neste alimento2.

Em outro estudo, observou-se que a presença de ácidos graxos insaturados presentes no óleo da amêndoa do pequi foi responsável pela redução de marcadores inflamatórios, concomitante à redução de enzimas hepáticas e aumento de enzimas antioxidantes – como glutationa peroxidase e glutatioa redutase. Com base nestes resultados, os autores sugerem o pequi como um protetor de lesões hepáticas, pela atuação antioxidante que confere ao tecido3.

Com relação ao desenvolvimento de hepatocarcinoma, os resultados também são promissores. Uma análise conduzida em modelo animal de indução de carcinogênese no tecido hepático identificou que o óleo do pequi promoveu redução de 51% das lesões e adenomas, podendo reduzir o risco deste tipo de câncer4.

Com bases nestes resultados, o consumo do pequi pode ser uma interessante estratégia para a redução de alterações hepáticas, otimizando o funcionamento deste órgão que é  importante para o nosso equilíbrio orgânico.

Referências Bibliográficas

1-BAPTISTA, A.; GONÇALVES, R.V.; BRESSAN, J. et al. Antioxidant and antimicrobial activities of crude extracts and fractions of cashew (Anacardium occidentale L.), Cajui (Anacardium micrcarpum), and Pequi (Caryocar brasiliense C.): A systematic review. Oxid Med Cell Longev; 2018. doi: 10.1155/2018/3753562.

2-VALE, A.F.; FERREIRA, H.H.; BENETTI, E.J. et al. Antioxidant effect of the pequi oil (Caryocar brasiliense) on the hepatic tissue of rats trained by exhaustive swimming exefcises. Braz J Biol; 2018. doi: 10.1590/1519-6984.180015.

3-TORRES, L.R.; SANTANA, F.C.; TORRES-LEAL, F.L. et al. Pequi (Caryocar brasiliense Camb.) almond oil attenuates carbon tetrachloride-indeced acute hepatic injury in rats: antioxidante and anti-inflammatory effects. Food Chem Toxicol; 97:205-216, 2016.

4-PALMEIRA, S.M.; SILVA, P.R.; FERRÃO, J.S. et al. Chemopreventive effects of pequi oil (Caryocar brasiliense Camb.) on preneoplastic lesions in a mouse model of hepatocarcinogenesis. Eur J Cancer Prev; 25(4):299-305, 2016.

Você também pode gostar de:

_

A obesidade é uma doença crônica metabólica que teve sua prevalência aumentada nos últimos anos, justificada por diversos fatores que envolvem o estilo de vida – como má alimentação e sedentarismo. Estima-se que cerca de 40% da população mundial já apresenta excesso de peso, e este dado alarmante faz com muitos pesquisadores tenham maior interesse por estratégias nutricionais que possam minimizar as causas e consequências desta doença1,2.

Os ácidos graxos ômega 3 podem contribuir com a redução do risco das morbidades associadas à obesidade, pelo efeito anti-inflamatório que reduz atividade de vias adipogênicas1,2. Ainda, análise em nível celular de pré-adipócitos identificou que a administração de ômega 3 aumentou termogênese de células marrons, por modulação de microRNAs associados a este processo, favorecendo a redução do risco de obesidade3.

De forma clínica, este benefício foi verificado em um estudo randomizado, realizado com 177 indivíduos obesos, que após a administração de suplementação com ômega 3 por 12 semanas, tiveram redução significativa da área de gordura visceral, em comparação ao grupo que recebeu o placebo4.

Para complementar, um estudo realizado com 15 indivíduos sobrepesos ressalta que a intervenção com ômega 3 é mais eficiente para a perda de peso quando associada a um programa de atividade física e bons hábitos alimentares5. Desta forma, o consumo de fontes de ômega 3 pode ser uma interessante estratégia para redução do risco de obesidade, em associação a um contexto saudável.

Além das fontes convencionais – como peixes e frutos do mar -, o ômega 3 também está presente em alimentos de origem vegetal como a beldroega – planta alimentícia não convencional encontrada em diversas regiões do Brasil, que facilmente pode fazer parte de refeições como uma hortaliça, contribuindo com a nossa saúde.

Referências Bibliográficas:

1-PAHLAVANI, M.; RAMALHO, T.; KOBOZIEV, I. et al. Adipose tissue inflammation in insulin resistance: review of mechanisms mediating anti-inflammatory effects of omega-3 polyunsaturates fatty acids. J Investig Med; 65(7):1021-1027,2017.

2-ROMBALDOVA, M.; JANOVSKA, P.; KOPECKY, J. et al. Omega-3 fatty acids promote fatty acid utilization and production of pro-resolving lipid mediators in alternatively activated adipose tissue macrophages. Biochem Biophys Res Commun; 490(3):1080-1085,2017.

3-KIM, J.; OKLA, M.; ERICKSON, A. et al. Eicosapentaenoic acid potentiates brown thermogenesis through FFAR4-dependent Up-regulation of miR-30b and miR-378. J Biol Chem; 291(39):20551-62,2016.

4-SAITO, S.; FUKUHARA, I.; OSAKI, N. et al. Consumption of alpha-linolenic acid-enriched diacylglycerol reduces visceral fat area in overweight and obese subjects: a  randomized, double-blind controlled, parallel-group designed trial. J Oleo Sci; 65(7):603-11,2016.

5-HAGHRAVAN, S.; KESHAVARZ, S.A.; MAZAHERI, R. et al. Effect of omega-3 PUFAs supplementation with lifestyle modification on anthropometric indices and Vo2 max in overweight women.Arch Iran Med; 19(5):342-7,2016.

6-PETROPOULOS, S.A.; KARKANIS, A.; FERNANDES, A. et al. Chemical composition and Yield of six genotypes of common purslane (Portulaca oleracea L.): An alternative source of ômega-3 fatty acids. Plants Foods Hum Nutr; 70(4):420-6,2015.

Fontes de ômega 3 podem reduzir a inflamação no tecido adiposo